sábado, 8 de setembro de 2012

TEMPO - MATO GROSSO DO SUL HOJE

                                         Fonte: www.correiodoestado.com.br

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

OPORTUNIDADE$ & NEGÓCIO$




CARAGUATATUBA




1.- área com 276.000ms2

2.- Topografia 95% plana, sendo que no 5% é uma parte pouco elevada que tem vista para o mar

3.- Na área, atualmente existe plantação com estufa de plantas ornamentais, e tres casas onde moram os proprietários.

4.- A área tem frente para a Av. Marechal Deodoro da Fonseca e outra para a Rodovia Rio Santos.

5.-Localiza-se aproximadamente 1.200 ms da Rodoviária e Hipermercado Shibata; que se localizam na avenida da entrada da cidade de nome Avenida Presidente Campo Salles e 3.000 ms do centro da cidade.

6.- A Rodovia dos Tamoios está sendo duplicada .

7.- A ligação entre Caraguatatuba e São Sebastião será feita pela Rodovia Rio Santos, desviando o trânsito da cidade, e passará na porta da área, tudo isso já está sendo feito.

8.- Os documentos da área estão em perfeita ordem, sendo que os impostos são ITR.

Informamos, ainda que a cidade está em ritmo de crescimento acelerado, faltando casas novas e terrenos para venda, principalmente nesse local, que é privilegiado.

O preço é R$ 72,00 o metros quadrado




NÃO ACEITA PARCERIA, FACILITA COM ENTRADA + 10 PARCELAS.

TRATATIVAS COMERCIAIS E MAIOES INFORMAÇÕES SOMENTE VIA EMAIL=>mattos-jm@bol.com.br

Previsão do Tempo para MS


  • Sexta-Feira - 07/09
  • Sábado - 08/09
  • Domingo - 09/09
  • Segunda-Feira - 10/09
  • Terça-Feira - 11/09
Feriado de sol forte no Centro-Oeste. Algumas nuvens se formam sobre Mato Grosso do Sul e o sul de Goiás, mas não provoca chuva. Calor durante a tarde, com valores muito baixos de umidade do ar. Por enquanto, não há condições para chuva.

 Tempo para Campo Grande - MS


Sexta-Feira, 07/09
Nascer do sol:05h41Pôr do sol:17h32
  • Manhã
  • Tarde
  • Noite
  • Max 37ºMin 22º
  • 0mm
    0%
  • NE
    13km/h
  • 56%22%
Sol com muitas nuvens durante o dia e períodos de céu nublado. Noite com muitas nuvens.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Cotações agropecuárias e tempo de 05/09/2012 - MS




 MS

R$ 89,00Boi Gordo - @
R$ 80,00Vaca Gorda - @
R$ 25,50Milho - sc 60kg
R$ 83,50Soja - sc 60kg
Fonte:
 TEMPO - REGIÃO CENTRO OESTE
Mais um dia de sol forte e tempo aberto no Centro-Oeste. Só há possibilidade de chuva rápida na divisa de Mato Grosso com Rondônia. Nas demais áreas da Região, o tempo fica firme e com baixos índices de umidade.
Previsão do tempo atualizada às: 09:00
Quarta-Feira, 05/09
Nascer do sol:05h43Pôr do sol:17h32
  • Manhã
  • Tarde
  • Noite
  • Max 34ºMin 22º
  • 0mm
    0%
  • ENE
    15km/h
  • 71%32%
Sol com algumas nuvens. Não chove.Fonte:www.climatempo.com.br

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Custo do milho no Brasil e no exterior pressiona mercado de carnes






O custo do milho nos mercados nacional e internacional, com a forte alta provocada pela quebra de safra nas principais regiões produtoras do grão que sofreram com a seca este ano, como os Estados Unidos e o sul do Brasil, tem pressionado fortemente o mercado de carnes. Ao lado da soja (farelo de soja) o produto é a principal matéria-prima para a produção de carne bovina, suína e de aves nos Estados Unidos e de aves e suínos no Brasil.


O preço da saca de milho chegou a quase R$35 e o da soja a R$85, em média. O preço mínimo, usado como referência de mercado para garantia de aquisição pelo governo federal, foi R$13,02 para a saca de 60 quilos de milho e R$22,87 para a saca de soja.


No Brasil, onde a produção de aves e suínos é mais sensível ao problema, o governo tem usado o estoque regulador para amenizar os impactos. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), 1,2 milhão de toneladas de milho estão disponíveis para regulação. Parte desse estoque tem sido disponibilizada no mercado a preços subsidiados em relação aos atuais.


As regiões nordeste e sul do país, que mais sofreram com a estiagem e que têm sentido mais fortemente os impactos dos preços de grãos na produção de carne, são prioridade.


Com a modalidade denominada Venda Balcão, voltada para pequenos produtores, o governo se compromete com a entrega das sacas comercializadas. "Mas estamos com problemas (nessa modalidade) porque a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) tem feito leilões de frete. Com o superaquecimento do mercado de frete, a Conab não está conseguindo contratar caminhões", explicou Edilson Guimarães, diretor do Departamento de Comercialização e de Abastecimento Agrícola e Pecuário do Mapa.


Guimarães acrescentou que pela modalidade de Venda de Estoques Públicos (VEP), os produtores compram e levam o produto a preços mais baixos. "Na quinta-feira (30/8), das 30 mil toneladas de milho que disponibilizamos, vendemos 18 mil para o nordeste e norte do país. Na quinta-feira (6/9), vamos ofertar mais 30 mil toneladas e aí poderão entrar os produtores de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul", disse.


As operações serão realizadas até o fim de dezembro, de acordo com a portaria que viabilizou as medidas. Para os produtores nordestinos, estão reservadas 400 mil toneladas de milho, e para os produtores do sul, 200 mil toneladas. Guimarães explicou que esse volume ainda pode aumentar e que o governo vai manter as medidas de regulação depois do período previsto pela portaria.


Ainda assim, o próprio governo admite que o apoio não é suficiente para regularizar o mercado como um todo. O volume estocado e disponibilizado a baixo custo é residual ante a histórica quebra da safra norte-americana, estimada em mais de 130 milhões de toneladas de soja e milho.


"Não há como suprir o mercado todo. O preço de carnes ainda vai se manter e é o mercado que vai ajustar esse preço. Não temos condições de abastecer todo o mercado brasileiro com preço mais baixo e não é questão de ter ou não estoque", explicou Guimarães.


Ainda que as medidas sejam voltadas prioritariamente para os produtores nordestinos e sulistas, agricultores do centro-oeste também têm conseguido adquirir milho e soja a preços mais baixos do que os cobrados no mercado.


Na unidade da Conab do Distrito Federal, a saca de milho tem sido comercializada a R$22. Do ponto de vista de produtores que têm conseguido se beneficiar das medidas de regulação, como Arnaldo Figueiredo, a atual crise de desabastecimento pode ser uma oportunidade estratégica para outros segmentos da cadeia.


"Sendo uma crise global, torna-se uma oportunidade para nós, que praticamos bovinocultura de leite e corte com menos dependências desses insumos. É uma oportunidade de retomar mercados perdidos", avaliou.


Figueiredo ainda destacou que os frigoríficos tendem a adotar uma estratégia com prioridade às exportações, "em detrimento do próprio mercado interno". A principal explicação é a queda do mercado bovino norte-americano, maior dependente de insumos como milho e soja e, por isso, com custo de produção mais onerado.


Fonte: Agência Brasil.

Votação da Medida Provisória do Código Florestal pode ocorrer nesta semana no plenário da Câmara




A votação da Medida Provisória (MP) do Código Florestal pode ocorrer ainda nesta semana no plenário da Câmara dos Deputados. O governo federal é contra a nova versão do texto aprovada na semana passada na Comissão Mista do Congresso Nacional.

O Palácio do Planalto não abre mão do escalonamento previsto na versão original da MP, que para médias propriedades estabelecia uma recomposição de mata ciliar de 20 metros. O acordo fechado na Comissão Mista baixou essa necessidade de recuperação para 15 metros. A disputa entre o que quer a presidente Dilma Rousseff e o que busca a frente ruralista do Congresso deve ser acirrada. A Ministra das Relações Institucionais, Idelli Salvatti, afirmou nesta segunda, dia 3, que o governo vai tentar convencer os parlamentares a retomar a versão antiga da MP durante a votação em plenário.

— Nós vamos argumentar que é muito importante voltar ao texto original da Medida Provisória, principalmente naquilo que diz respeito à recuperação da Área de Preservação Permanente nas margens dos rios. Isso porque a presidente Dilma teve uma posição muito justa. Quem tem menor área, recupera menos. Quem tem área maior, propriedade maior, recupera mais. Todos recuperam proporcional ao tamanho da sua propriedade. E isso estará explicitado na chamada escadinha, que nós vamos tentar agora no debate retomar — afirmou Ideli.


Fonte: http://agricultura.ruralbr.com.br

Tendência no mercado do boi gordo é altista




03 de setembro de 2012


No mercado do boi gordo os indicadores de preços em São Paulo já se aproximam dos R$ 95,00. Segundo a consultora de mercado, Lygia Pimentel, agora o mercado chegou a uma alta consistente.

“O mercado do futuro vinha numa alta, linha ascendente mais dias de alta do que de baixa. E desde o começo vínhamos falando, é possível a entrada de baixa de ciclo, tem uma oferta maior, chuvas fora de época, mas mesmo assim com a entressafra faltou pasto, faltou boi gordo”, explicou Lygia.

A consultora sinaliza que a falta de boi é sistêmica, em função da seca que chegou forte. Em decorrência desse cenário, no Mato Grosso do Sul já está sendo realizadas comercializações a R$ 91,00, então o mercado segue pressionado para cima.

“Essa situação acontece em todo o país, menos no Rio Grande do Sul, pois no estado o mercado antecipa o movimento do mercado pecuário brasileiro. O pessoal está tirando o boi para colocar a agricultura com isso acaba ofertando mais bois”, afirmou Lygia.

Além disso, o diferencial de base encurtou o que melhora as margens dos pecuaristas. “Quem fez o hedge antes, melhorou a negociação, melhorou a margem do pecuarista, e mesmo quem não o hedge o diferencial de base melhorou bastante tem mais ou menos de 6%, o que ajuda os pecuaristas”, disse a consultora.

Já as escalas estão curtíssimas, é uma situação crítica, mas nada fora da normalidade da entressafra. O otimismo está voltando ao mercado e falta de boi hoje, inclusive de boi confinado é resultado do pessimismo que atingiu o setor há quatro meses, conforme frisou Lygia.

“E agora com essa melhora nos preços vemos um otimismo exacerbado, que também pode interferir no possível aumento da oferta, sempre ficar de olho na balança que o mercado faz, quando estiver bom tentar ser cauteloso e quando estiver ruim tentar enxergar que não é fim do mundo”, argumentou a consultora.

Ainda de acordo com Lygia, essa situação não atinge as reposições, principalmente os bezerros, uma vez que falta pasto. “A reposição agora só no boi magro, pois muitos pecuaristas querem colocar o boi no cocho”, finalizou. 


Fonte: Noticias Agrícolas

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Cotações Agropecuárias e previsão do tempo para 03/09/2012 - MS




 MS

R$ 89,00Boi Gordo - @
R$ 80,00Vaca Gorda - @
R$ 25,50Milho - sc 60kg
R$ 83,50Soja - sc 60kg
Fonte:
Segunda-feira de sol na Região Centro-Oeste. Apenas no noroeste de MT, pode chover de forma rápida à tarde. Nas demais áreas, o ar continua muito seco.
Segunda-Feira, 03/09
Nascer do sol:05h45Pôr do sol:17h31
  • Manhã
  • Tarde
  • Noite
  • Max 34ºMin 23º
  • 0mm
    0%
  • ESE
    12km/h
  • 59%26%
Sol com algumas nuvens. Não chove.Fonte:www.climatempo.com.br


domingo, 2 de setembro de 2012

Setembro tem previsão de chuva abaixo da média em grande parte do Brasil





A partir de setembro, as chuvas fortes começam a retornar na maior parte das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Norte do Brasil, de acordo com boletim da Somar Meteorologia. Segundo a previsão, as precipitações vão aparecer entre os dias 15 e 20 de setembro, mas deve vir com acumulado menor que o normal. A previsão para o mês é de chuva abaixo da média nas três regiões, com exceção do Espírito Santo.

De acordo com o meteorologista Celso Oliveira, no Estado capixaba e no centro e leste da Bahia, a expectativa é de um padrão semelhante ao de agosto. Entre 10 e 25 de setembro, esperam-se novamente ventos fortes provenientes do mar, gerando chuvas constantes e com elevado acumulado.

Já no interior da Bahia e nos demais estados do Nordeste, o mês de setembro será seco. Para a Região Sul do Brasil, inclusive no Paraná e em Santa Catarina, a previsão é de chuvas acima da média por conta do fenômeno El Niño.

As temperaturas devem ficar acima da média no Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul e abaixo da média no Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Alagoas, Goiás, Distrito Federal e Rio de Janeiro.

Fonte=>SOMAR METEOROLOGIA